Associação Junguiana do Brasil

Monografias

Voltar

Autor: Benzecry, Daniela
Título: Sentimentos, Valores e Processo de Individuação
Ano: 2015
Orientador: Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro

A função sentimento é a responsável por dar um valor aos conteúdos da consciência visando a uma rejeição ou uma aceitação subjetiva. Um sentimento é a percepção consciente do que ocorre no corpo e na mente no curso de uma emoção, em função dos valores dados pela razão, e sempre contém algum grau de dor ou de prazer. A emoção é um conjunto de respostas reflexas do organismo a um estímulo para colocá-lo em condições que levem à sobrevivência e ao bem-estar, ocorrendo no corpo. O sentimento ocorre na mente como imagens geradas pelo mapeamento do estado corporal, é consciente e suscetível à vontade, permitindo com que se possa escolher como deve ocorrer a preservação da vida, o grande valor biológico. As escolhas dependem das prioridades, portanto, dos valores pessoais. Estes são condicionados à visão de mundo individual, a qual pode estar aprisionada nos interesses do ego, ser unilateral e estreita, ou pode estar em relação com valores transcendentes e ter superado a unilateralidade, após passar por um conflito entre opostos, ficando mais ampla e em harmonia com o Self. A identificação dos sentimentos presentes possibilita que se deduza a visão de mundo atuante, os valores individuais e quais as qualidades inconscientes e necessárias para a ampliação da consciência, porém, para que não se transite de uma unilateralidade para outra, o ego precisa estar em relação com um valor transcendente, tal como o Amor incondicional e a sua expressão, o Bem. Neste processo, por ser necessária a discriminação do que conduz ao bem e ao mal, vai-se desenvolvendo a consciência moral. Na descrição dos sentimentos pessoais, frequentemente, são usadas expressões que parecem indicar sensações corpóreas, entretanto, elas referem-se a imagens dinâmicas, logo, a sentimentos. Elas talvez estejam num sítio intermediário ao corpo e à mente, o corpo psicóide descrito por Boechat. O estudo dos sentimentos dá indícios da possível veracidade da sugestão de Jung de que corpo e mente são dois aspectos da mesma realidade. Os sentimentos negativos correspondem a uma dificuldade para se atingir a homeostasia orgânica e os positivos, a uma facilidade, e também indicam, respectivamente, haver uma desarmonia entre ego e Self e uma harmonia, criando a hipótese de que não há antagonismos entre a busca pela saúde e o processo de individuação e entre preservação material orgânica e desenvolvimento espiritual. A existência de sentimentos sociais, nos seres humanos, indica que a sobrevivência individual é vinculada à vida coletiva e coloca a vida dos humanos em relação com o todo. Direcionar-se pelo Bem (o que favorece a vida) é preservar a si e ao mundo materialmente e é poder ser íntegro (inteiro). Concluindo, escutando os nossos sentimentos podemos aprender sobre nós mesmos, descobrir sobre as nossas características negadas e nossos complexos (ativados liberam emoções, que geram sentimentos) e sobre a transformação necessária para a ampliação da consciência, propiciando a descoberta de novos valores. O processo de individuação traz consigo a renovação de valores e o desenvolvimento da consciência moral para o qual participa, ativamente, a função sentimento.

Instituto de Psicologia Analítica de Campinas
Instituto C.G. Jung Minas Gerais
Instituto Junguiano do Paraná
Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul
Instituto Junguiano do Rio de Janeiro
Instituto Junguiano de São Paulo
Instituto Junguiano de Brasília
Instituto de Psicologia Analítica da Bahia

Associação Junguiana do Brasil - AJB - Todos os direitos reservados

Rua Cardoso de Almeida, 1005, casa 6
CEP 05013-001 – Perdizes – SP
www.ajb.org.brajb@ajb.org.br

by Elav