Associação Junguiana do Brasil

Monografias

Voltar

Autor: NATEL, Rejane Maria Gomes Leite
Título: O Curador-Ferido: Xamã e Psicoterapeuta Junguianao, Aproximações do Mito na Formação Junguiana
Ano: 2012
Orientador: José Jorge Zacharias

O Mito do Curador-Ferido é identificado nas Sociedades Xamânicas e através de JUNG e VON FRANZ, traço um paralelo, quanto à atuação e formação do Analista Junguiano. Desde o Universo simbólico-religioso até sua mudança de Status Religioso dentro desta comunidade.

Ele é identificado no grupo por apresentar características desde a infância que o diferenciam dos demais integrantes. Doenças Após essa identificação passam por processos de resistência física e psíquica, numa aproximação do Mito do Herói que conhecemos em nossa sociedade. Ao resistir e enfrentar todo o processo de treinamento e aprendizado, transmitido oralmente por ser uma religião tradicional ou primitiva, está apto a ser um Curandeiro, o medicine-man do grupo. Mas para atingir esse Status, ele é o detentor e mantenedor das tradições e técnicas de êxtase para entrar em contato com os espíritos. Segundo MIRCEA ELIADE, sua função social no grupo, é o de transmitir toda a Cosmogonia e Teogonia, desde de sua criação, e assim através desse ofício promove r a Cura Simbólica, através do estado alterado de consciência, obter a Cura de forma a devolver ao sujeito sua integridade física, psíquica e espiritual.

JUNG E VON FRANZ, ao escreverem que o sujeito para ser um psicoterapeuta Junguiano, necessita passar por processos muito semelhantes, nos remete a uma aproximação desse Mito. Alertam sobre os riscos de não obtermos a Cura de nossos pacientes, se não tivermos passado pelo processo de autoconhecimento, tornando assim uma terapia superficial, onde faremos o papel de orientador ao invés de Curar. Trata a análise a que devemos nos submeter como as provas de resistência ao entrarmos em contato com o nosso inconsciente profundo, onde ocorre um processo de fenômenos Numinosos. Além de exigirem um aprendizado teórico e vocação.

Tratando esses temas num Universo Simbólico próximo do Universo Xamânico. A vocação seria o chamado identificado em situações de extremo perigo físico e psíquico, onde somos remetidos ao nosso inconsciente profundo, perdas, lutos, doenças graves e outros sofrimentos nos aproximam de nosso Mundo Interior, promovendo em nossa vida cotidiana transformações. Ao obtermos a Cura, estaremos nos identificando com o mito do Curador Ferido, e assim estamos aptos a reconhecer e acolher a dor do outro: nossos pacientes.

Assim, a Cura simbólica ocorre de forma muito semelhante a das Sociedades Xamânicas. A capacidade de curar o outro exige de cada curador o ato de Curar a Si-mesmo. O universo simbólico, suas crenças e a busca por sua individuação será o objetivo e a intenção maior desse processo, melhor explicando, a cura se dá a aquele que consegue enfrentar seu inconsciente profundo e retornar a sua vida consciente transformado.

As aproximações são possíveis através de comparações e alertas feitas por JUNG e VON FRANZ, e outros autores que se debruçaram no estudo da psicologia e de outras ciências que tenham a disposição de através desse conhecimento, tomar a humanidade como um todo, onde a universalidade de símbolos tenham um significado que faça sentido para o homem, atual ou primitivo.

Instituto de Psicologia Analítica de Campinas
Instituto C.G. Jung Minas Gerais
Instituto Junguiano do Paraná
Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul
Instituto Junguiano do Rio de Janeiro
Instituto Junguiano de São Paulo
Instituto Junguiano de Brasília
Instituto de Psicologia Analítica da Bahia

Associação Junguiana do Brasil - AJB - Todos os direitos reservados

Rua Cardoso de Almeida, 1005, casa 6
CEP 05013-001 – Perdizes – SP
www.ajb.org.brajb@ajb.org.br

by Elav