Associação Junguiana do Brasil 25 Anos

Monografias

Voltar

Autor: Silva, Gisela Cardoso da
Título: A mãe do mal
Ano: 2016
Orientador: Gelson Luis Roberto

A aranha e sua teia podem ser imaginadas como representações dos complexos autônomos da psique. Conforme a maneira com que consciência e inconsciente se relacionam, são trabalhados os fios do destino, nos quais ora a humanidade se perde, ora se encontra. Nessas tramas de impulsão e resistência sobre a energia psíquica, são construídos labirintos em torno do Self/Si-mesmo, o arquétipo que representa o valor máximo que cada pessoa traz consigo: a centelha divina que é guardada secretamente em cada indivíduo. Como todo esse processo é inconsciente, são discutidos neste trabalho a importância e os perigos que as projeções psíquicas exercem ao longo dele, já que são elas que permitem que os aspectos ainda desconhecidos e distantes do Self se aproximem da consciência. É ressaltado, porém, que corre-se o risco de ficar preso às projeções, especialmente na relação com as mães biológicas. Sendo a mãe o primeiro elo vital e a primeira projeção divina para o sujeito, ela torna-se uma legítima fonte de desejo e temor para ele, pois ela é o primeiro espelho que cada um tem para projetar a totalidade que traz em si desde os primórdios de sua existência.

Palavras-chave: arquétipo, complexo, mãe.

Instituto de Psicologia Analítica de Campinas
Instituto C.G. Jung Minas Gerais
Instituto Junguiano do Paraná
Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul
Instituto Junguiano do Rio de Janeiro
Instituto Junguiano de São Paulo
Instituto Junguiano de Brasília
Instituto de Psicologia Analítica da Bahia

Associação Junguiana do Brasil - AJB - Todos os direitos reservados

Rua Cardoso de Almeida, 1005, casa 6
CEP 05013-001 – Perdizes – SP
www.ajb.org.brajb@ajb.org.br

by Elav